22 maio 2007

A noção de gênero atravessa midias?

Arquivo Lina Bo e P.M. Bardi
Tem um degrau dos estudos de gênero no campo do jornalismo que é preciso subir: galgar a compreensão sobre os lugares da instituição jornalística e da mídia na constituição do gênero. Se realmente podemos falar de gêneros jornalísticos, então a mídia deve ter um lugar secundário. Se a mídia for definidora, o mais correto seria falar em gêneros de impresso, radiofônicos, televisivos, digitais. Se for um terceiro caminho, o que é provável, a questão esta em colocar os poderes do campo (Bourdieu), ou melhor, da "formação discursiva" (Foucault), e os poderes da mídia (Debray, McLuhan).


Mídia

Se colocarmos a mídia como o elemento mais forte, estaremos situando os regimes e propriedades da mídia como condicionadores do gênero. Que propriedades seriam essas? Das propriedades de que fala Debray (1991): tradução-operação do conhecimento, sistemas semiológicos, influência nas técnicas (de redação, por exemplo), redes técnicas, sistema de transmissão, sistema de estocagem, interlocução e espaço-tempo particular. Seriam os regimes do que se chama em Analise do Discurso de "dispositivo" (material, suporte e tecnologia).

O calcanhar de Aquiles parece estar nos sistemas semiológicos e de transmissão. A natureza da imagem em movimento somada à grade de programação da TV, por exemplo, implicaria gêneros próprios dessa lógica O dialogo entre um jornalista e um candidato à presidência da República, seja em um telejornal ou em um Talk Show, não deve ser considerado uma entrevista? Se comparamos com entrevistas em vídeo arquivadas nos sites jornalísticos, então, já estaremos a falar de outra mídia Mas o "sistema de estocagem" mascara a tal ponto que diremos ser um tipo de arquivo.

Formação discursiva

Se, por outro lado, colocarmos a "formação discursiva" como o elemento mais forte, estaremos escolhendo como condicionadora do gênero a regularidade entre objetos (do que se fala - Em jornalismo, tipos de fatos, acontecimentos, "verdades", etc - Perelman e Olbrechts-Tyteca); tipos de enunciação (de que maneira de fala; regida por sistemas de diferenciação e relação, direitos de intervenção e de decisão, posição do sujeito na rede de informações), conceitos ( a partir do que se fala; que se forma segundo formas de ordenamento dos enunciados, forma de coexistência dos enunciados, processos de intervenção aplicados aos enunciados) e estratégias (com qual posicionamento). Entendendo-se aqui as mudanças intrínsecas à formação discursiva, seja por razões sócio-históricas ou culturais. " (...) D'une part, il s'agit de metre en évidence le jeu relationnel entre objets, énonciations, concepts, et stratégies; d'autre part, il s'agit de mettre en évidence le jeu relationnel au sein des éléments, qui ne sont figés, ni permanents. L'ordre du discours implique de la dispersion" (Ringoot et Utard: 2005 : 40 e 41)

De uma forma geral (ainda não analisada a fundo), é razoável dizer que, seja para a imprensa escrita, seja para a televisão, a atividade jornalística trabalha com os mesmos objetos, principalmente se tratamos de mesmo pais. Os enunciados não guardariam, por isso, semelhanças constitutivas? Pensando-se em conceitos, não se poderia dizer que seu processo de formação e mudanças não é mais histórico e temporal, do que de mídia? é certo que as estratégias discursivas, como os enunciados, são adequados à mídia. Entretanto, não se deve dizer que a linha transversal da atividade jornalística perpassa as mídias de maneira definidora?

Cruzamento e/ou comparação

Quais as saídas metodológicas para se vencer essa etapa? Sugestões? Uma analise comparativa entre diferentes mídias poderia ser produtivo. Uma analise produzida por especialistas de diferentes mídias; já que é essa nossa constituição acadêmica, consequência, acreditamos, da natureza analógica das mídias e efetivo resultado pratico para a profissão.

Outra possibilidade, uma vez que se acredite nesses fundamentos, seria o cruzamento desses elementos numa mesma mídia e mesma formação discursiva. Por exemplo, os diversos tipos do discurso jornalístico na mídia digital.

Ou ainda, mais interdisciplinar e portanto mais difícil academicamente, seria uma analise comparativa de diferentes formações discursivas numa mesma mídia. Uma opção dentro do campo da comunicação seria, por exemplo, comparar tipos do discurso jornalístico com o discurso publicitário Seria enriquecedor...


A noção de gênero?



Como dizem pesquisadores franceses, o melhor para se conhecer as "leis" do gênero discursivo, é deixar a noção de lado, num primeiro momento, para se chegar a ela depois. Sábios senhores.

Obs: Texto escrito para o blog em francês e transcrito aqui.

Referências:

RINGOOT, Roselyne & UTARD, Jean-Michel. Le journalisme en invention. Nouvelles pratiques, nouveaux acteurs, Rennes, PUR, coll. Res Publica, 2005.

FOUCAULT, Michel. L'archéologie du savoir. Paris, Gallimard, 1969.

DEBRAY, Régis, Manifestos Midiológicos, Petrópolis, Vozes, 1995.

2 comentários:

marcia 13:18  

Lia, ótima discussão. estou preparando um texto para a SBPJOR sobre isso e vou citar teu texto. concordo com Ringoot e Utard, na linha foucaultiana, que é um pouco o que sigo, e tento cruzar com Maingueneau e Charaudeau, que considero grandes nomes para pensar os gêneros.

meu maior problema ainda é ler mal o francês. aguardo ansiosamente tua volta ao Brasil, hahahaha...

beijo

Lia Seixas 14:23  

Oi, Marcia, obrigada! Espero q possamos trocar figurinhas no encontro da SBPJor...
Sim, tb considero interessantes os operadores de Charaudeau e Maingueneau, mas não estou convencida das relações entre as condições de enunciação. A "finalidade", pex., aparece estanque, como se pudéssemos dizer que a intencionalidade de informar se sobrepõe às outras finaliddades em toda uma composição (texto) jornalistica.
Outra questão tangencial é separar os objetos do discurso jornalistico em 'acontecimento reportado', 'acontecimento comentado', etc, como se cada texto tivesse um tipo de objeto de realidade (cito o ultimo livro de Charaudeau, "Les médias et l'information", q ja saiu em português, mas esqueci o titulo)
Bem, estou analisando...
grande abraço e
obrigada pelo comentario,
Lia

Site dedicado ao estudo dos gêneros jornalísticos. Criado durante nossa tese de doutorado, 2005. Esse novo layout abre um novo ciclo de estudo, pesquisa, descobertas sobre esse tema tão caro à prática jornalística e ao conhecimento sobre o jornalismo.

  © Blogger templates Brooklyn by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP